sexta-feira, 10 de março de 2017

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Trumpadas

O grande boicote que se deveria fazer era deixar de comprar produtos norte-americanos como única forma de eliminar estes desvarios do Presidente.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Ary dos Santos: 33 anos

Estrela da Tarde

Era a tarde mais longa de todas as tardes que me acontecia 
Eu esperava por ti, tu não vinhas, tardavas e eu entardecia 
Era tarde, tão tarde, que a boca tardando-lhe o beijo morria. 
Quando à boca da noite surgiste na tarde qual rosa tardia 
Quando nós nos olhámos, tardámos no beijo que a boca pedia 
E na tarde ficámos, unidos, ardendo na luz que morria 
Em nós dois nessa tarde em que tanto tardaste o sol amanhecia 
Era tarde de mais para haver outra noite, para haver outro dia. 


       Meu amor, meu amor 
       Minha estrela da tarde 
       Que o luar te amanheça 
       E o meu corpo te guarde. 
       Meu amor, meu amor 
       Eu não tenho a certeza 
       Se tu és a alegria 
       Ou se és a tristeza. 
       Meu amor, meu amor 
       Eu não tenho a certeza! 

Foi a noite mais bela de todas as noites que me adormeceram 
Dos nocturnos silêncios que à noite de aromas e beijos se encheram 
Foi a noite em que os nossos dois corpos cansados não adormeceram 
E da estrada mais linda da noite uma festa de fogo fizeram. 
Foram noites e noites que numa só noite nos aconteceram 
Era o dia da noite de todas as noites que nos precederam 
Era a noite mais clara daqueles que à noite se deram 
E entre os braços da noite, de tanto se amarem, vivendo morreram. 

       Meu amor, meu amor 
       Minha estrela da tarde 
       Que o luar te amanheça 
       E o meu corpo te guarde. 
       Meu amor, meu amor 
       Eu não tenho a certeza 
       Se tu és a alegria 
       Ou se és a tristeza. 
       Meu amor, meu amor 
       Eu não tenho a certeza! 

Eu não sei, meu amor, se o que digo é ternura, se é riso se é pranto 
É por ti que adormeço e acordado recordo no canto 
Essa tarde em que tarde surgiste dum triste e profundo recanto 
Essa noite em que cedo nasceste despida de mágoa e de espanto 
Meu amor, nunca é tarde nem cedo para quem se quer tanto! 

Ary dos Santos, in 'As Palavras das Cantigas' 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Ricos e pobres

"Oito homens são mais ricos como a metade mais pobre da população mundial", este é o título a que não se tem dado muita atenção mas que ajuda a explicar certos fenómenos sociais, como o terrorismo, o êxodo africano para a Europa e outros países menos falados por cá. O trecho seguinte é uma visão sobre este problema colocada por Thomas Hylland Eriksen, cuja leitura do texto integral aconselho, vem na Etnográfica volume 20 (1) 2016:
"Contudo, as mudanças aceleradas estão por todo o lado. Somos mais, e cada um de nós está, tendencialmente, com maior mobilidade e mais ativo, e tem mais conexões com outros – está ligado a mais redes – do que alguma vez aconteceu no passado. Épocas pretéritas foram, sem exceção, tempos lentos para a maioria da humanidade. Neste sentido, vivemos, presentemente, num planeta sobreaquecido.1 Na física, calor (aquecimento) é simplesmente sinónimo de velocidade (aumento da velocidade). Traduzido para a linguagem das ciências sociais, sobreaquecimento (aumento da velocidade) remete-nos para alteração acelerada. Aliás, há já muito tempo estamos conscientes de que as alterações provocadas pela modernidade têm consequências rápidas e inesperadas, muitas vezes até paradoxais. E, como sabemos, quando os processos de mudança aceleram, também os efeitos secundários não intencionais aceleram.

Respostas sobreaquecidas – reações locais às alterações aceleradas – podem ser observadas em quase todo o mundo, mas em âmbitos diferentes e expressas de modos também diferenciados, tantos quantas as variações das circunstâncias locais, sejam elas materiais, sociais ou culturais. Normalmente, as pessoas percebem que alguma mudança está a ocorrer a grande velocidade algures. Contudo, elas podem pensar “ninguém pediu a minha opinião”, acrescentando: “Quem devo eu culpar, em quem devo eu confiar, e que posso eu fazer?” Numa situação de sobreaquecimento, esta é uma reação paradigmática. Neste sentido, uma tarefa óbvia para os cientistas sociais consiste em explorar como funcionam localmente os modos de atribuição de culpa, o que, manifestamente, configura um tipo de investigação com implicações políticas óbvias. Por exemplo, é muito diferente saber se as pessoas culpam / confiam num “quem” ou num “o quê”, ou seja, numa pessoa ou numa estrutura ou instituição. Também é muito diferente saber se elas podem culpar uma entidade local ou doméstica – pessoa ou instituição –, ou se a culpa dos seus problemas é exógena e distante. Nas terras altas da Serra Leoa, quando alterações inesperadas acontecem – digamos, uma enorme plantação de biofuel aparece subitamente do outro lado do rio –, as pessoas podem encolher os ombros e dizer “é a globalização”. O trabalho das ciências sociais consiste em desmontar esta expressão, descobrindo o que querem os locais dizer com “globalização”, e como isso se relaciona quer com as suas mundivisões, tanto em termos literais como figurativos, quer com as suas experiências e perspetivas de vida. Se, por exemplo, a falta de água numa aldeia dos Andes pode ser atribuída a uma companhia mineira vizinha, esta pode ser considerada responsável. Mas se a causa não pode ser atribuída ao uso de recursos pela companhia mineira, mas antes às alterações climáticas globais, é muito mais difícil para os locais saber o que fazer. Eles podem mesmo começar a procurar um bode expiatório local. Uma característica comum do sobreaquecimento é a falta de previsibilidade. Parece não haver um guião para orientar a humanidade para a próxima etapa destes tempos modernos. Não há uma narrativa hegemónica dizendo-nos para onde caminhamos. Este é um século em que será pedido à humanidade, coletiva e localmente, para reconstruir a nave em que seguimos, de forma a evitar a destruição do mundo tal como o conhecemos. Neste enquadramento, o significante mais premente é o das alterações climáticas, mas é necessário e urgente compreendê-lo em contexto e na sua totalidade." in Sobreaquecimento: pequenos lugares e grandes questões na antropologia do século XXI

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017